Artigos
 VER TODOS OS ARTIGOS 

PIZZA E VINHO: Claudia G. Oliveira no AT Revista do Jornal a Tribuna de Santos/SP
Confira minhas indicações de vinhos, na matéria "Pizza, Paixão Nacional" do Stevens Standke, para o AT Revista. Gastronomia - POR STEVENS STANDKE - stevens@atribuna.com.br - 24 ATREVISTA - 26/JUL/15
ENONEWS 26-07-2015


Paixão Nacional


É duro resistir a uma pizza, ainda mais no inverno. Confira a história desse alimento, além de dicas de harmonização e sabores inusitados. Saiba também como deixar sua redonda mais saudável. 


É fato: a pizza faz parte da vida do brasileiro o ano inteiro. Seja para comemorar uma data especial, receber visitas ou simplesmente garantir um jantar gostoso. E, quando saboreada no inverno, ela tem um apelo ainda maior, pois vamos combinar: um pedaço quentinho de qualquer redonda é capaz de mandar o frio da estação para bem longe.

Mas nem por isso você precisa se indispor com a balança.

A nutricionista Tatiana Pimentel derruba a ideia de que a pizza é uma caloria vazia e diz que, mesmo em sua versão mais básica, é fonte de carboidrato (massa) e de proteína (queijo, apesar de ele não ser a melhor opção quando comparado à carne bovina, ao frango e ao peixe).

Ou seja, nutrientes essenciais para o funcionamento do organismo.

O grande perigo está justamente no teor de gordura da redonda, porque, dependendo dos ingredientes usados, ela pode se tornar uma bomba calórica. "É bom tomar cuidado com a quantidade de gordura da receita para não zerar os seus benefícios à saúde e ainda ganhar peso. As pizzas, por exemplo, de quatro queijos e de champignon com molho rosé são calóricas demais. O ideal é comer pizza apenas uma vez por semana, no máximo dois pedaços, para não se ter efeitos indesejados. E, de preferência, sabores menos calóricos, como Margherita".

Tatiana acrescenta que sempre vale a pena tentar deixar a pizza mais funcional, ao incluir em sua composição ingredientes como legumes e verduras, que são fontes de minerais e vitaminas, e queijos mais leves, como muçarela de búfala e ricota. Desse modo, uma boa alternativa é o mix de rúcula, tomate seco e muçarela de búfala.

Ou a receita à base de atum, que é rico em ômega-3 e oferece proteína de qualidade melhor do que a muçarela. "Essa pizza, como ainda não tem queijo, é muito saudável.

Devemos lembrar que os queijos mais calóricos são os amarelos, principalmente o catupiri, o gorgonzola e o parmesão".


É duro resistir a uma pizza, ainda mais no inverno. Confira a história desse alimento, além de dicas de harmonização e sabores inusitados


Outra tática interessante, na opinião de Tatiana, é substituir a massa tradicional pela integral, que, por ser rica em fibras, ajuda a aperfeiçoar o funcionamento do intestino. Algumas pizzarias também contam com a biomassa de banana-verde. Menos calórica, ela é uma boa fonte de fibras e se mostra ótima para os diabéticos, "pois, como é de baixo índice glicêmico, favorece o controle da doença".

Quer turbinar ainda mais a sua redonda? Então, confira a seguir os benefícios de alguns ingredientes, para que a sua escolha seja cada vez mais consciente, assertiva e nem por isso menos apetitosa.

› Tomate: contém licopeno, antioxidante que auxilia na prevenção e no combate do câncer de próstata.

› Orégano: é umantifúngico natural.

› Manjericão: ativa o sistema imunológico, melhora o cansaço e a enxaqueca.

› Rúcula e brócolis: são ricos em antioxidantes considerados fundamentais para a redução dos efeitos dos radicais livres no corpo.

Estudos indicam que, como também contêm fitoquímicos, flavonoides e as vitaminas A, C e K, fortalecem o sistema imunológico como um todo e protegem contra os cânceres de pele, de pulmão e bucal.

› Atum: fonte de ômega-3, possui potencial anti-inflamatório e melhora a memória.

› Abobrinha: tem fibras que ajudam a evitar que toxinas cancerígenas se estabeleçam no cólon.

Além disso, as vitaminas A e C, bem como o ácido fólico encontrado nesse legume, atuam como poderosos antioxidantes que combatem o estresse oxidativo que pode levar a diferentes tipos de câncer.

› Cebola: é boa fonte de flavonoides, elementos com propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes.

Ainda é rica em ferro, cálcio, potássio, fósforo, magnésio, sódio, silício e nas vitaminas A, B1, B2, B3 e C.



VINHO AMIGO


Você já parou para pensar qual é a bebida que combina melhor com um belo pedaço de pizza?

Embora grande parte da população tenha o hábito de pedir cerveja junto com a redonda, Cláudia Elaine Garcia de Oliveira, sommelière e colunista do Boa Mesa, caderno de gastronomia publicado às sextas em A Tribuna, afirma que o vinho é o acompanhamento ideal para uma pizza. "Na Itália, todo mundo toma vinho junto", observa a especialista. Sem falar que essa bebida tem tudo a ver com o inverno!

Cláudia explica que quem não quer errar na hora de harmonizar o vinho com a redonda deve recorrer a tintos mais frutados e leves, que tenham boa acidez e sejam jovens (produzidos de 2012 para cá), porque eles costumam ir bem com qualquer pizza. Seguindo essa linha de raciocínio, ela indica alguns curingas: o Chianti simples, feito na Toscana, Itália, com a uva sangiovese; o Rosso di Montalcino, preparado na mesma região italiana, também à base de sangiovese; rótulos espanhóis de uva tempranillo, principalmente os fabricados em Rioja; vinhos argentinos de malbec, que "caíram demais no gosto do santista", e rótulos de pinot noir em geral.

A sommelière complementa: "Como os vinhos europeus andam bastante caros, nada impede a pessoa de provar um que seja originário do Cone Sul e que use as uvas sangiovese e tempranillo, para não gastar tanto. Outra combinação bacana é comer pizza com um espumante rosé. Essa harmonização divide opiniões, mas também é válida para qualquer sabor".

Já quem deseja abrir um pouco mais o leque tem como opção consumir as redondas de Margherita, quatro queijos e as que são mais cremosas (aquelas que levam catupiri ou molhos como o branco) junto com uma taça de vinho branco. "Aí, pode ser um rótulo de chardonnay, de sauvignon blanc, como o francês Pouilly-Fumé, ou mesmo um vinho verde branco de Portugal", completa
Cláudia.



1. Escondidinho: feita com carne-seca, cebola, purê de batata e gratinada com parmesão e catupiri. R$ 47 a pequena e R$ 74 a grande. Cantina Babbo Américo: Av. Ana Costa, 404, Gonzaga, Santos, tels. 3284-5100/5999.

2. Brócolis: além do legume, a redonda ainda leva molho branco, bacon, muçarela  parmesão. R$ 24,90. Liliana Pasta & Pizza: nos shoppings Pátio Iporanga Av. Ana Costa, 465, loja 412, Gonzaga, Santos, tel. 3301-2007), Praiamar Rua Alexandre Martins, 80, loja 227A, Aparecida, Santos, tel. 3227-5719) e risamar (Rua Frei Gaspar, 365, loja 405, Centro, São Vicente, tel. 3371-1089).

3. Fonduta: o famoso creme de queijo é o ingrediente principal desta redonda, ue também conta com muçarela, alho-poró, tomate, orégano e manjericão. $ 45 a pequena e R$ 85 a grande. Piccola Forneria: na Av. Almirante ochrane, 62, Aparecida, Santos, tels. 3271-1200 e 3273-6699, e na ua Minas Gerais, 57, Boqueirão, Santos, tels. 3233-3357 e 3222-6034.

4. Bacalhau: o peixe é preparado às natas, puxado na cebola. ara completar, muçarela, ovos, azeitonas pretas e azeite. udo gratinado, mais borda premium (coberta por armesão). R$ 88. Van Gogh: Av. Marechal Floriano eixoto, 314, José Menino, Santos, tel. 3225-3636.



VIAGEM NO TEMPO

O simples ato de degustar uma fatia de pizza também serve de convite a uma viagem pela história.

Afinal, existem duas versões para a origem da sua massa, ambas datadas de 6 mil anos atrás.

Professora do curso de Gastronomia do Centro Universitário Monte Serrat (Unimonte), Luciana Marchetti diz que a primeira remete ao Egito Antigo, onde a massa era feita de farinha e água, e consumida como se fosse um pão. Com a mesma finalidade, era preparada na Grécia com farinha, arroz ou grão-de-bico e assada em tijolos quentes.

Só que, com o tempo, a massa foi levada para a Itália, principalmente para a região sul.

"Esse é o motivo para até hoje as melhores pizzas estarem no sul do país, com destaque para Nápoles", comenta Luciana.

E foram os italianos que passaram a cobrir a massa com molho de tomate e orégano, a princípio servindo-a dobrada ao meio, como se fosse um calzone.

"Depois, eles começaram a recheá-la com muçarela, graças aocomerciante Rafaell Esposito.

Dependendo da condição social da pessoa, ainda se usavam ingredientes como a calabresa".

Detalhe: em1889, o rei Humberto I provou as pizzas que Rafaell vendia e o convidou para criar uma em homenagem à sua mulher, a rainha Margherita. "Ele desenvolveu a famosa receita com base nas cores da bandeira da Itália, e foi assim que a pizza ganhou o formato redondo que conhecemos, além de novos sabores", ressalta Luciana.

A professora arremata: "Por volta de 1950, a pizza foi trazida para o Brasil pelos imigrantes do sul da Itália. Nós acabamos dando a nossa cara a ela, pois os italianos não colocam tanto recheio como a gente, nem dispõem de borda recheada ou de uma variedade tão grande de sabores. Estudei no país e vi o quanto eles ficam horrorizados por utilizarmos ingredientes como frango e milho. Por lá, as pizzas são mais tradicionais. Normalmente elas levam muçarela, aliche, presunto cru e tomate".


SAIA DA ROTINA

A esta altura da matéria, você já deve estar morrendo de vontade de comer pizza, não é? Portanto, aproveite as dicas que apresentamos nas próximas duas páginas: são oito redondas que fogem do lugar-comum e que podem ser encontradas nas pizzarias de Santos e São Vicente, ótimas para quem quer ir além de muçarela, portuguesa, calabresa, frango com catupiri... Bom apetite!



 


 



 
  Início
Vídeo
Download
Fale Conosco
Cadastro
  Institucional
Cursos
Degustações
Enoturismo
Enopoemas
Dicas
  Cláudia Elaine Garcia de Oliveira
Artigos
Enonews
Momento Divino
Fotos "Social do Vinho"
Saiu na Mídia
 
 
.:: • © Copyright 2007 - 2019, ENOAMIGOS ® • Santos • São Paulo • claudia@enoamigos.com.br • http://www.enoamigos.com.br .::
.:: • PORTALWEB 5.0 ® • WCMS Web Content Management Systems • Development for Santos Digital ™ Global Strategy