Artigos
 VER TODOS OS ARTIGOS 

Confraria dos 12
por José Alberto Clemente Junior degustação de 04/11/2009
ENOAMIGOS 11-01-2009
enoamigo Beto
confraria dos 12


REUNIÃO EM NOVO FORMATO

"Na quarta-feira, 04/11, a Confraria dos 12 reuniu-se na Decanter para sua degustação semanal, mas em um formato novo. Em vez de degustações previamente escolhidas, os confrades elaboraram, na hora, a sequência de vinhos. O resultado foi positivo, com escolhas acertadas, vinhos interessantes e uma excelente relação preço-prazer (apenas R$ 28 por pessoa!).

O primeiro vinho foi um branco alemão, da região do Nahe, um Donhoff Riesling Trocken QbA 2007. De cor amarelo palha, um vinho com boa acidez, bastante leve, com apenas 10,5% de álcool. No olfato, notas de abacaxi e toques minerais. O diferencial é o paladar pronunciadamente doce, lembrando compota de abacaxi, quase geleia, remetendo inclusive a mel. Um vinho leve, saboroso, que vai agradar paladares delicados e elegantes (R$ 85,50).

enoamigo Beto
vinhos da noite


Em seguida, foi servido outro vinho branco, uma produção especial da região de Madiran, na França: Le Jardin Philosophique d'Alain Brumont 2006. A uva é autóctone, a pouco conhecida Petit Courbu. Com 14,5% de álcool, mas equilibrado, não se mostra excessivo na boca. Cor amarelo dourada, bem mais intensa que o anterior, e um olfato bastante peculiar, de muita mineralidade, lembrando inclusive querosene, ou pedra de isqueiro. Aparece ainda alguma fruta, pera, talvez. No paladar, expressa-se muito sua mineralidade, com notas de petróleo, aparecendo sua boa acidez, que remete a pomelo. Depois de um tempo, morre no copo; mesmo assim, considero um vinho interessante, com melhores resultados gastronômicos (R$ 78,25).

Provamos então o Domaine La Bastide Douce Folie 2005, tinto da região do Languedoc, na França. Vinho de corte interessante, com as uvas Syrah, Grenache, Carignan e Merlot. Visualmente atraente, de um rubi luminoso, límpido. Um vinho correto, bastante prazeroso. Seus odores são generosos, com algo de especiarias (como pimenta do reino, noz moscada), e também frutas vermelhas. Na boca, boa acidez, algo de frutas vermelhas frescas; agradou verdadeiramente (R$ 41,80).

O seguinte foi o Chateau La Gasparde Côtes de Castillon 2006, um vinho tinto da região de Bordeaux, com corte de Merlot, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon. De um rubi intenso, não tão cristalino, e nariz fechado, um pouco misterioso. No paladar, notas evidentes de framboesa e álcool pouco aparente (13%). Um vinho que destoou, mereceria uma nova oportunidade; talvez apresente melhor resultado com alguma harmonização gastronômica (R$ 77,45).

Por fim, um vinho tinto da Nova Zelândia, de Ohiti Estate, Brooksfield 2006, varietal de Cabernet Sauvignon. Cor rubi intensa, ligeiramente opaco. Agradou demais, com seu olfato exuberante, de chocolate e frutas vermelhas. Na boca, predominam as frutas, com muita cereja e notas de morango, sem destacar os 13% de álcool. Equilibrado e persistente, possivelmente o melhor da noite (R$ 107,57).

É isso aí, confrades.
Mãos à obra!
Enoabraços a todos!
confraria_dos_12-owner@yahoogrupos.com.br

enoamigos.com
enoamigo Beto


 


 



 
  Início
Vídeo
Download
Fale Conosco
Cadastro
  Institucional
Cursos
Degustações
Enoturismo
Enopoemas
Dicas
  Cláudia Elaine Garcia de Oliveira
Artigos
Enonews
Momento Divino
Fotos "Social do Vinho"
Saiu na Mídia
 
 
.:: • © Copyright 2007 - 2018, ENOAMIGOS ® • Santos • São Paulo • claudia@enoamigos.com.br • http://www.enoamigos.com.br .::
.:: • PORTALWEB 5.0 ® • WCMS Web Content Management Systems • Development for Santos Digital ™ Global Strategy